21/06/2017

Linguagem Cinematográfica: Movimentos no Cinema

Movimentos do quadro

No projeto Primeiro Filme temos uma clara explicação dos movimentos do quadro:

Com a câmera parada, pessoas e objetos mudam de posição, tanto lateralmente quanto afastando-se ou aproximando-se da câmera (ou numa combinação dessas duas possibilidades). É comum que uma pessoa não esteja dentro do quadro quando a câmera é ligada e entre depois, ou que saia do quadro durante a tomada. Chamamos esses movimentos com os singelos termos ENTRAR EM QUADRO e SAIR DE QUADRO.

Também é comum que alguém se aproxime da câmera, “aumentando de tamanho”, ou se afaste, “diminuindo de tamanho”. Você pode simplesmente dizer AFASTAR-SE DA CÂMERA, ou APROXIMAR-SE DA CÂMERA, ou, se quiser impressionar alguém da equipe com seus conhecimentos de inglês, usar os termos TAIL-AWAY (alguém ou alguma coisa afasta-se da câmera) e HEAD-ON (alguém ou alguma coisa vem de encontro à câmera).


Movimentos de Câmera

Panorâmica: Gira a câmera sobre seu próprio eixo, em sentido horizontal, da esquerda para a direita e vice-versa.
Dolly: a câmera se aproxima ou se distancia do objeto filmado.
Tilt: movimento de erguer ou baixar a câmera sobre seu próprio eixo, sempre no sentido vertical.
Truck ou travelling: quando a câmera anda paralelamente ao objeto filmado. a câmera “viaja”, isto é, desloca-se, na mão do operador, sobre um carrinho, sobre uma grua, em qualquer direção.
Arco: câmera se move em volta do objeto formando um arco de 180º graus.
Chicote: Câmara corre lateralmente durante a filmagem de uma determinada cena, deslocando rapidamente a imagem.



Como compor com os movimentos de câmera:


No vídeo abaixo temos uma análise de uma sequência de cenas do filme Bastardos Inglórios. 



Movimentos de Lente ou objetiva

Movimentos de objetiva – usando uma lente do tipo ZOOM, você modifica o ângulo visual durante a tomada. Quando “aproxima” a imagem temos o ZOOM-IN, quando “afasta”, o ZOOM-OUT.

Combinando movimentos de câmera e lente

Dolly zoom é a técnica que associa movimentos opostos de dolly e da lente para uma impressão de dissociação do objeto de seu fundo. Ou seja, o cenário parece diminuir ou aumentar de tamanho sobre os personagens, que permanecem iguais. Produz um efeito de epifania do personagem. 



No site Filmakeriq.com você encontra vários cursos. Dê uma olhada no canal FilmmakerIQ.com no Vimeo. Assista a mais cinco brilhantes movimentos de câmera:



Slow motion


Também conhecido como câmera lenta. Tem a função de enfatizar determinado movimento ou suavizar algumas cenas; também pode causar a sensação de “suspensão” do tempo, criar tensão ou ampliar momentos de clímax.



Fast Motion ou câmera acelerada

Enfatiza a passagem do tempo ou demonstra alguma mudança que demande horas, dias ou até meses para ocorrer. Ricardo Bruini fala dessas técnicas em artigo da Zoom Magazine.


Time Lapse

Augusto Nunes, no artigo Imagens em Movimento: Time lapse, uma câmera lenta às avessas, na Veja, definiu a técnica da seguinte forma:

Fotografias são tiradas em intervalos regulares. Transportadas para um programa de edição, essas imagens são colocadas em ordem cronológica, passando a impressão de movimento (ao escolher o tempo de exibição de cada fotografia).

No cinema, o time lapse é usado com variados objetivos: permite efeitos dramáticos em filmes de ficção, consegue transmitir as sensações do personagem ou evidenciar a passagem do tempo. Nos documentários, normalmente tem efeito visual ou reflexivo (possibilitam ao espectador alguns minutos para sentir o que acabou de ser apresentado).



Stop Motion

Stop Motion é uma técnica que consiste em uma sequência de fotografias do mesmo objeto ou pessoa, que se movimenta levemente a cada quadro, são tiradas. Cada quadro difere minimamente do anterior, o objeto ou pessoa se move enquanto a câmera permanece estática. Conheça a um pouco da história da técnica AQUI.


0 comentários:

Postar um comentário